Aqui fica bem!...

Discussões sobre numismática que não se enquadrem nos restantes forums

Moderador: Moderador de Honra

Mensagem
Autor
numisgaia
Reinado D.José
Mensagens: 506
Registado: domingo nov 07, 2004 6:56 pm
Localização: Vila Nova de Gaia
Contacto:

Aqui fica bem!...

#1 Mensagem por numisgaia » quinta mar 08, 2007 7:52 pm

Li esta história e não resisti sem a divulgá-la aqui.
Esta história comoveu-me, e creio que comove qualquer coleccionador
Alberto Santos :thumbs:


UMA MOEDA COM SORTE
Mafalda

Acabei de nascer. Fui cunhada com outras moedas iguais a mim, o que me deixou muito emocionada. Tinha uma família e estava tão feliz, que disse:
- Olá manas, está tudo bem?
Fiquei muito triste porque não me responderam, mas logo esqueci e comecei a olhar para mim; como era bonita, brilhante, novinha em folha.Ainda mal me tinha observado e já me tinham colocado num envelope para pagar o salário do trabalhador que me cunhou.
Quando o empregado abriu o envelope e me viu sussurrou admirado:
- És uma das novas! Tenho pena, mas terás que ir comigo até o mercado.
Fiquei delirante de alegria, agitada, pois pela primeira vez ia conhecer o mundo lá fora.
No mercado existiam imensas coisas que jamais havia visto. Vi bancas com hortaliças, com peixe, com carne, vi senhoras a apregoar os seus produtos e clientes a regatear. Vi uma banca com flores, lindas, com múltiplas cores e um cheiro suave e delicioso que tudo inundava em seu redor. Foi mesmo ali que o Manuel parou. A sua mulher fazia anos e ele pretendia oferecer-lhe um lindo ramo de tulipas.
Meteu a mão ao bolso e eu lá fui para a florista com muito gosto. Pela primeira vez estava a ser útil e logo por um motivo tão bonito!
A florista pôs-me num bolso escuro e fundo do avental, só que… o bolso tinha um buraco e eu caí desamparada num cesto de flores que estava mesmo ali ao lado.
No cesto estavam um belo ramo de rosas, antúrios, cravos e um fantástico pé de orquídeas. Eu, julgando-me muito valiosa, virei-me para as flores e manifestei toda a minha vaidade, o que fez com que todas soltassem uma enorme gargalhada. Uma rosa vermelha ergueu-se por entre as outras e com desdém disse:
- Tu? Valiosa! Tem juízo. Valiosas são as notas que podem comprar flores frescas como nós e outros objectos que nem em toda a tua vida tu o conseguirás.
Não resisti, as flores foram cruéis comigo. Humilhada e com os olhos marejados de lágrimas, retirei-me para um cantinho do cesto, reduzindo-me à minha insignificância.
Quando de repente… sinto-me novamente em movimento. A florista havia pegado no cesto das flores e lá fui eu para outro local desconhecido. Pelo caminho, sem querer, fomos contra um senhor que caminhava apressado e o cesto caiu ao chão. Aflita, a florista precipitou-se a apanhar as suas preciosas flores e sem dar por mim deixou-me esquecida encostada ao passeio daquela estrada em que havia imenso movimento.

ilustração de Filipa Alexandra (9 anos)
Deixei-me ficar assustada e encolhida a observar tudo o que era desconhecido para mim. Vi montes de pernas passarem mesmo ao meu lado, tacões que quase me calcaram e até levei um pontapé de uma bota que me atirou uns metros mais para diante. Até que, se aproximou de mim um homem mal vestido, de sapatos gastos, sujo e com uma cara triste e esfomeada que com um sorriso me apanhou e se dirigiu para uma padaria mesmo ali á nossa frente. Entramos e o homem pediu:
- Quero dois pães com queijo. Dê-me os pães fresquinhos, por favor.
Retirou-me do bolso, entregou-me ao senhor da padaria e seguiu o seu triste destino, mas desta vez com o estômago um pouco mais aconchegado.
Foi indescritível a alegria que senti ao ver que contribuí para saciar a fome a alguém necessitado. Fiquei tão vaidosa e orgulhosa como se fosse a moeda mais importante do mundo.
Ainda estava no meu pensamento a imagem do homem a trincar a sandes de queijo, quando ouvi a voz de uma criança:
- Pai, pai… tens algum objecto para eu fazer um trabalho para a escola?
Era o Ivo, o filho do dono da padaria.
- Procura por aí, que talvez encontres alguma coisa interessante. – Disse o pai.
O miúdo procurou, procurou, até que abriu a gaveta onde me encontrava, olhou para mim e pensou:
- Que moeda mais linda e brilhante! É exactamente esta que eu vou levar para a escola.
Na escola mostrou-me aos colegas e professores e todos eles me acharam muito bonita, o que me envaideceu.
A escola já era velhinha. Eram já muitos os anos em que diariamente alojava dezenas de crianças carregadas de energia. As paredes tinham alguma humidade necessitavam de ser pintadas, o tecto precisava de ser caiado e o soalho apresentava aqui e ali alguns pequenos buracos.
Um desses buracos foi a minha nova casa durante alguns anos, pois foi lá que nesse mesmo dia eu caí.
Bati com uma das faces no chão e um pouco aos trambolhões fui bater num velho peão que há muitos anos lá morava. Olhei à minha volta e fui vendo alguns dos meus novos vizinhos. Além do peão que me parecia ser o ancião daquele lugar, lá estavam alguns berlindes de múltiplas cores, meia dúzia de clipes já um pouco enferrujados e até um soldadinho de chumbo cujas vestes já haviam perdido alguma tinta.
Estava ainda meia confusa e a tentar perceber tudo à minha volta, quando afastando tudo e todos que se lhe atravessavam no caminho, se aproximou velozmente um enorme animal que parou em frente a mim, baixou a cabeça, apontou-me o focinho e disse:
- Olá linda moeda, eu sou o Rato Renato e tu como vieste aqui parar? A partir de agora vais ser o meu espelho e espero que sejamos muito amigos.
- Quem me deixou cair aqui foi o Ivo… e também gostava de ser tua amiga. – Disse eu a tremer assustada.
- Esse rapaz é sempre a mesma coisa. É um bom menino, mas é muito distraído. Sabes… sai ao pai, que foi quem me deixou cair aqui há muitos anos atrás. – Disse o soldadinho de chumbo.
- Enquanto aqui estiveres moedinha, tenta prestar atenção ao que os professores dizem lá em cima. Vais ver que aprenderás muita coisa interessante. – Disse o velho peão rodopiando com elegância.
Aos poucos e poucos fui-me sentindo mais à vontade.
- Olha, já agora afasta-te também do Renato, quando ele andar aí armado em carro de fórmula um, como há pouco. – Disse um dos berlindes ainda meio tonto.
Rimos todos à gargalhada e a partir daí tornamo-nos bons amigos.
Um dia, volvidos muitos anos a viver neste buraco desta velha escola ouvi um enorme estrondo, mais parecia que um terrível trovão tinha entrado na sala de aulas. Amedrontada, fui ter com o Renato que me disse:
- Vou fugir daqui moedinha. A escola vai ser demolida. Boa sorte para ti minha linda. Vou sentir a tua falta sempre que me apetecer pentear os bigodes.
Os meus receios aumentaram, pois corria o risco de ficar soterrada para sempre.
As paredes já haviam caído, o tecto também e eu sufocava perdida entre o entulho. As máquinas começaram a remover montes de madeira e cimento desfeitos e aos poucos a luz do sol começou a incidir sobre mim. Já o braço mecânico descia quando o condutor viu um brilho sair por entre os destroços. Parou a máquina, desceu até junto de mim e apanhou-me. O José pousou-me na palma da mão esquerda e carinhosamente limpou-me as duas faces com um lenço vermelho que trazia a tapar a boca. Encantado comigo, beijou-me e meteu-me no bolso.
José pertencia a uma família que há várias gerações coleccionava moedas e logo se apercebeu que eu era valiosa. Lembro-me bem que quando cheguei a sua casa, estava um dia chuvoso, daqueles em que não apetece pôr os pés lá fora. Embora não muito grande, a sua colecção que havia sido iniciada pelo seu trisavô era valiosa e ele estimava-a com muito cuidado e carinho. Apesar de não ter muito dinheiro, de vez em quando ia conseguindo acrescentar algumas moedas à sua colecção.
Depois de limpa , fui colocada junto a outras companheiras, na velha papeleira vinda de casa do avô da Matilde, a mulher de José. Ao meu lado direito estava uma amiga vinda de Espanha que já havia conhecido lugares encantadores, museus, monumentos, pintores, até Dali já tinha pegado nela. À minha esquerda, uma Italiana, conhecia a Fonte de Trevi, o Museu do Vaticano, o Coliseu de Roma e até já tinha tomado banho em Veneza dentro do bolso de um rapazote. Outras tinham vindo da Alemanha, de Inglaterra, de França, enfim do mundo inteiro. Durante anos e anos mantivemos conversas infindáveis, fechadas à chave na gaveta da velha papeleira.
Um dia senti uma mão enrugada e trémula a abrir a gaveta. Era o José. Pegou no álbum, colocou-o em cima da mesa, abriu-o, segurou-me entre os dedos e acariciou-me. Tinha a tristeza estampada no rosto. Olhou, voltou a olhar, olhou uma última vez e com uma lágrima escorrendo pelo canto do olho, pegou no álbum e levou-nos até um famoso coleccionador.
Havia decidido vender a colecção. Ouvi-o dizer com a voz arrastada pela emoção:
- Sabe Sr. Borges, esta colecção foi iniciada há muitos anos pelo meu trisavô, que a deixou ao meu bisavô, foi continuada pelo meu avô, pelo meu pai e agora por mim. Só uma razão tão forte como a saúde do meu filho, me levaria a vendê-la.
O filho de José sofria de uma grave doença e necessitava de ir aos Estados Unidos para ser operado.
O Sr. Borges avaliou todas as moedas e por fim disse que eu era a mais valiosa e que só o meu valor era suficiente para pagar a operação do Rui.
Senti uma alegria inexplicável. Quase explodi de orgulho. Servi para salvar a vida de alguém! Jamais poderia imaginar tão nobre destino quando fui cunhada.
O meu novo dono tinha um museu onde me colocou em exposição, junto com as mais belas e valiosas moedas do mundo. Ali fiquei, exposta numa vitrina do museu, com as luzes sobre mim, tranquila e eternamente bela. Tinha cumprido a minha missão!


A ignorância não é contagiosa, não é um mal, nem é um castigo.
Combate-se APRENDENDO
"Da discussão nasce a luz”

http://www.numisgaia.com

Avatar do Utilizador
Antonio Correia
Reinado D.Pedro IV
Mensagens: 365
Registado: terça nov 28, 2006 1:55 pm
Localização: Lisboa

#2 Mensagem por Antonio Correia » quinta mar 08, 2007 8:53 pm

Bonita historia...e faz pensar que se as nossas moedas falassem tanto nos contariam.Como não o fazem podemos nós às vezes imaginar por quantas mãos teram passado e o que teram pago ao longo dos anos ,séculos ou milenios.
Talvez mais do que imaginemos.
Antonio Correia.

nunojorge
Senhor Escudo da I República
Mensagens: 46
Registado: quinta fev 01, 2007 9:54 pm
Localização: Sintra

#3 Mensagem por nunojorge » sexta mar 09, 2007 12:18 am

Boas,
Interessante e divertido o mundo da personificação tambem com as moedas.
Cumprimentos,
Nuno Jorge.

Bandadolopes
Reinado D.Pedro I
Mensagens: 1443
Registado: domingo mai 08, 2005 2:00 am

#4 Mensagem por Bandadolopes » sexta mar 09, 2007 1:07 am

:claps :claps :claps :claps

Bonita história
Cumprimentos,

Alberto Praça

Avatar do Utilizador
jnegrao
Reinado D.Maria II
Mensagens: 267
Registado: quarta jan 31, 2007 9:50 am
Localização: Lisboa

#5 Mensagem por jnegrao » sexta mar 09, 2007 9:34 am

Gostei Bastante.
:biggthumpup:
Nem tudo o que brilha é ouro.

Avatar do Utilizador
jcunha
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 4169
Registado: domingo set 04, 2005 11:00 pm
Localização: S. Paio de Oleiros - Feira

#6 Mensagem por jcunha » sexta mar 09, 2007 3:11 pm

Também gostei... :biggthumpup:
Os meus leilões no Mega:

https://megaleiloes.pt/JCunha/loja

Avatar do Utilizador
AL
Reinado D.Manuel II
Mensagens: 93
Registado: domingo dez 25, 2005 5:37 pm
Localização: Santo André - Litoral Alentejano

#7 Mensagem por AL » sexta mar 09, 2007 10:10 pm

Bonita história!
"A Felicidade Não É A Meta É O Caminho"


Lima

Avatar do Utilizador
vitornumis
Reinado D.Pedro IV
Mensagens: 390
Registado: quinta nov 18, 2004 6:01 pm
Localização: Braga

#8 Mensagem por vitornumis » sexta mar 09, 2007 11:10 pm

Adorei, está espectacular! :biggthumpup:
Vítor Guise

victor nascimento
Reinado D.Filipe III
Mensagens: 765
Registado: quinta fev 15, 2007 9:10 pm
Localização: Alijó - DOURO

#9 Mensagem por victor nascimento » sábado mar 10, 2007 6:58 am

EStá é a realidade da vida. O valor só é dado no momento das decisões difíceis.
Belíssima história. Muitos parabéns se é sua, de qualauer formna obrigado por no-la contar.
Saudações numismáticas
Quando enviar alguma carta ou encomenda use selos de correio comemorativos.
Visite: http://vicna3.blogspot.com/
http://videos.sapo.pt/fnIdKE7D8kWtq9MqcghI

Avatar do Utilizador
M Machado
Reinado D.Sebastião
Mensagens: 1044
Registado: quinta nov 30, 2006 12:47 am
Localização: Açores

#10 Mensagem por M Machado » domingo mar 11, 2007 12:44 pm

Também achei a história bastante interessante.
Última edição por M Machado em segunda jan 28, 2008 6:04 pm, editado 1 vez no total.

Responder

Voltar para “Numismática em geral”