Página 1 de 2

4 vinténs do Porto de D. João IV - Dúvida terrível...

Enviado: terça abr 07, 2020 8:15 pm
por numisiuris
Ponto prévio: Não me venham dizer que ficavam com as duas. Quero ser ajudado, não desgraçado... :angel:

Tenho que escolher entre uma destas duas moedas:
Imagem
Imagem

A da esquerda pesa 4,29g e a da direita 4,64g. O que é tramado nisto é que, apesar de serem do mesmo abridor, as moedas parecem ser de duas emissões diferentes. Por mais que percorra o catálogo Alberto Gomes na cunhagem manual, acabo sempre por concluir que não houve moedas nenhumas estudadas em condições. Fui ao catálogo VMA e também só encontro uma emissão para Lisboa e Porto (Alvará de 8 de Junho de 1643) e outra para Évora (Alvará de 12 de Abril de 1644). Até o módulo da moeda da direita é maior que o da esquerda (22mm/25mm).

Ora, se eu me dedicasse às moedas modernas tanto como me dedico às medievais, é óbvio que ficariam as duas na colecção. Mas como a doença ainda não está nesse ponto tão avançado, vou mesmo vender uma.

Fica pois a fatídica questão... Com qual ficavam? (e tenham em atenção o ponto prévio sff)

Re: 4 vinténs do Porto de D. João IV - Dúvida terrível...

Enviado: terça abr 07, 2020 8:22 pm
por paulj
Estão ambas óptimas, compreendo a dificuldade, se pudesse ficava com as duas; no limite mantinha a da direita.

Re: 4 vinténs do Porto de D. João IV - Dúvida terrível...

Enviado: terça abr 07, 2020 8:46 pm
por Mmatos
numisiuris Escreveu:
terça abr 07, 2020 8:15 pm
...
Fica pois a fatídica questão... Com qual ficavam? (e tenham em atenção o ponto prévio sff)
Tendo em conta o ponto prévio, ficava com a da direita. Sempre tem mais legenda e o final da legenda (ALGA) é mais interessante.

Re: 4 vinténs do Porto de D. João IV - Dúvida terrível...

Enviado: terça abr 07, 2020 9:00 pm
por amistade
Quem sou eu para dar opinião pois entrei na monarquia manual à meia dúzia de meses, mas lá vai:
Eu ficava com a da direita pois tem a legenda mais completa
Acho também interessante o facto de a cruz que separa as letras"P" ter o aspeto de ter dupla batida
A minha opinião vale apenas como mais uma sem qualquer apoio numismatico

Re: 4 vinténs do Porto de D. João IV - Dúvida terrível...

Enviado: terça abr 07, 2020 9:07 pm
por numisiuris
É interessante a vossa escolha, que eu já esperava e que comungo. Mas é interesante sobretudo porque pode lançar um debate sério e fundamentado sobre a atribuição de grade na cunhagem manual e a absoluta inutilidade que as mais das vezes essa atribuição revela.

Reparem...

A moeda da esquerda tem muito melhores relevos. Olhem para o perolado. Aguçado. A da direita tem os relevos muito mais boleados. Tem muito mais desgaste de circulação. E isto certamente geraria um grade superior na moeda da esquerda em relação à da direita da direita.

E depois vira-se um compadre para o outro: "olha, eu tenho um au 50, enquanto tu só tens um xf45". E, na verdade, quem tem o xf45 tem a melhor moeda...

A conclusão que retiro é invariavelmente a mesma. Encaixotar cunhagem manual e atribuir-lhe grade é um absoluto desperdício... As moedas de cunhagem manual são peças infungíveis e completamente insusceptíveis de serem avaliadas por estado de conservação.

Re: 4 vinténs do Porto de D. João IV - Dúvida terrível...

Enviado: terça abr 07, 2020 9:29 pm
por pmborges
Um dos factores que nas cunhagens Gregas e Romanas valoriza muito as moedas para além dos relevos, é o diametro da moeda, ou como dizem os Ingleses um "exceptionally broad flan".
Penso que é um factor universal a todas as cunhagens manuais.

Dá sempre outro gosto ter uma "malha" bem centrada e com um diâmetro grande.
Pessoalmente também escolhia a segunda, pelo ponto de vista estético.

Re: 4 vinténs do Porto de D. João IV - Dúvida terrível...

Enviado: terça abr 07, 2020 9:36 pm
por doliveirarod
Não me venham dizer que ficavam com as duas
Digo... Aqui batessem eram as duas minhas... :)

Mas se fosse escolher, era a da direita, pela maior integridade das legendas e bons relevos, além do módulo maior, sempre mais atrativo.

Re: 4 vinténs do Porto de D. João IV - Dúvida terrível...

Enviado: terça abr 07, 2020 9:43 pm
por pmborges
numisiuris Escreveu:
terça abr 07, 2020 9:07 pm
A conclusão que retiro é invariavelmente a mesma. Encaixotar cunhagem manual e atribuir-lhe grade é um absoluto desperdício... As moedas de cunhagem manual são peças infungíveis e completamente insusceptíveis de serem avaliadas por estado de conservação.
Percebo o que dizes, na cunhagem manual portuguesa, pois exceptuando as moedas de topo, as cunhagens são de uma maneira geral muito variáveis.
Já no caso da moeda romana se excluirmos o baixo império, acho que é perfeitamente possível sermos objectivos no grade das moedas, sobretudo nos denários.

Re: 4 vinténs do Porto de D. João IV - Dúvida terrível...

Enviado: terça abr 07, 2020 9:55 pm
por carlos47
Reconsidere o ponto prévio

Re: 4 vinténs do Porto de D. João IV - Dúvida terrível...

Enviado: terça abr 07, 2020 10:01 pm
por numisiuris
pmborges Escreveu:
terça abr 07, 2020 9:43 pm
numisiuris Escreveu:
terça abr 07, 2020 9:07 pm
A conclusão que retiro é invariavelmente a mesma. Encaixotar cunhagem manual e atribuir-lhe grade é um absoluto desperdício... As moedas de cunhagem manual são peças infungíveis e completamente insusceptíveis de serem avaliadas por estado de conservação.
Percebo o que dizes, na cunhagem manual portuguesa, pois exceptuando as moedas de topo, as cunhagens são de uma maneira geral muito variáveis.
Já no caso da moeda romana se excluirmos o baixo império, acho que é perfeitamente possível sermos objectivos no grade das moedas, sobretudo nos denários.
Mesmo aí não sei...

Começa logo pelo centramento, que nas romanas é muito importante. Que vale mais, um xf45 centrado ou um au50 descentrado?

Depois a patine. Bem, eles disso (às vezes) fazem referência. Mas como compactibilizar isso com o númerozinho do grade?

Para que serve o raio do númerozinho do grade?

Há moedas belas, muito bem conservadas, regulares... Há patines bonitas e patines feias. Há umas que uns acham bonitas e outros feias. Há marteladas precisas e marteladas desenconchavadas. Há de tudo... São peças infungíveis.

Na mecânica, sim. A coisa varia. Como, a não ser que haja erro de cunhagem, elas são todas iguais, é de facto idóneo atribuir um númerozinho científico ao desbaste dos relevos. E pronto. Nessas um compadre já se pode virar para o outro a dizer que ten um émeass, enquanto o outro só tem cheasehéfe.