Página 2 de 2

Re: A era do "fake"

Enviado: segunda abr 08, 2019 6:00 pm
por RubenGMelo
Isso faz parte de uma colecção qhe sai num jornal, que vêm uns fascículos com reproduções de selos e duas ou três notas.

Re: A era do "fake"

Enviado: sexta abr 12, 2019 7:23 pm
por josix
Pelo menos o número deixa claro que não se trata de uma nota genuína, talvez nessas condições tenha sido autorizada a reprodução. Não vejo nisso algo intrinsecamente errado: é distinguível da coisa genuína e já não se trata de dinheiro com curso legal.

Mas o vendedor estava a ver se enganava sim.

Re: A era do "fake"

Enviado: sábado abr 13, 2019 11:42 pm
por adoNNys
Boa noite, realmente essa nota consegue ser distintiva pelo facto de apresentar a informação de ser uma "Reprodução Autorizada , admito que comprei o primeiro fascínio visto ser o mais barato no valor de 1€ para ver o que tinham inventado (para enganar meninos) visto que cada fascínio é lançado salvo às quintas que terá a duração até ao final do ano com o valor de 4.95€ (3.95€ mais caro) sendo que no final as contas irá chegar aos 144.55€ c/IVA inc. (um desperdício de dinheiro aos meus olhos), mas voltando ao assunto em si cada reprodução acompanha de 2 notas e 2 folhas de selos, para os menos atentos ou para aqueles que não pescam nada de Filatelia (Eu) a detecção poderá ser mais árdua visto que cada selo não apresenta a mesma informação de ser uma reprodução autorizada como mostro em baixo as fotos das duas primeiras folhas de selos da Independência de Portugal e dos Ceres.
O que se aproveita basicamente são as informações que apresentam as revistas e mesmo assim ... :think: :think: