K P

Moderadores: Paul Gerritsen Plaggert, Marcelo Leal, Moderador de Honra

Mensagem
Autor
Avatar do Utilizador
JPHPM
Reinado D.Maria I
Mensagens: 470
Registado: sexta mai 09, 2008 8:20 pm
Localização: Olinda - Pernambuco - Brasil

K P

#1 Mensagem por JPHPM » quinta jan 09, 2020 8:18 pm

Alguém sabe o que siguinifica as letras K P, nessa moeda de Galerius / GENIO IMPERATORIS?
Não tem Permissão para ver os ficheiros anexados nesta mensagem.


João Paulo Holanda

Avatar do Utilizador
fernanrei
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 5322
Registado: terça mar 28, 2017 8:00 pm

Re: K P

#2 Mensagem por fernanrei » sexta jan 10, 2020 2:25 pm

Na minha opinião, o "K" é uma marca de valor em grego (representa 20) e o "p" quer dizer "pecunia" (moeda cunhada em). Como o "p" tem por cima o delta, a moeda terá sido cunhada na 4ª oficina de Alexandria. É a minha opinião, mas neste fórum há pessoas muito mais entendidas do que eu em Romanas e o melhor é esperar a opinião dos mesmos. :thumbupleft:
:D FMMRei :D

AdrianoHS
Reinado D.José
Mensagens: 535
Registado: segunda nov 26, 2018 4:47 am

Re: K P

#3 Mensagem por AdrianoHS » sexta jan 10, 2020 4:49 pm

Olá.

É um palpite, não conheço o suficiente dessas moedinhas para dar algo mais que isso. Até onde li essas marcas quando em caracteres gregos apontam para províncias orientais (exceto aquelas de ocupação latina). O K é o valor (acho que usados nas emissões imperiais somente), o alfa sobre o p seria a primeira oficina de Alexandria, existe uma tabelinha interessante desses significados, mas não sei se realmente é isso.

Abraços.

MCarvalho
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 8314
Registado: sexta nov 05, 2004 9:55 pm

Re: K P

#4 Mensagem por MCarvalho » sexta jan 10, 2020 5:23 pm

Ora bem, estas marcas estão estudadas há muitos anos no RIC (recomendo a leitura do vol. VI, a contextualização geral do sistema monetário, pp. 94-105; e a introdução da secção de Alexandria, no final, pp. 655-659, grupos iv e v).

Posto isto, é preciso começar por contextualizar o exemplar: é um fólis de Galério, cunhado, como bem referido em Alexandria, por volta do ano 308-310. É a RIC VI, 103.

Isto significa que é uma moeda do sistema pós reforma de 294-95, de Diocleciano. Ou seja, faz parte do sistema imperial padronizado por todo o território do Império Romano. Para distinguir do que havia antes: dois sistemas - o imperial, latino, e o provincial, grego. Estes dois sistemas não se cruzavam oficialmente, a amoedação no Ocidente seguia o sistema novo, romano, enquanto que as províncias orientais, mais antigas, mantinham o antigo sistema grego, embora com as temáticas dos novos senhores, os romanos.

(um à parte, em Israel, um dos países com maior investimento em arqueologia, apareceu apenas um (1) denário de Tibério com a figura de Lívia sentada; no geral, os denários em Israel são escassos, comparativamente com o dinheiro que lá circulava - do sistema oriental, eram siclos, talentos e dracmas do sistema Greco-Púnico (e egípcio, vá lá, embora grego no fundo); não obstante esta realidade arqueológica e histórica, continuamos a querer colocar na mão de Cristo um denário do sistema imperial na célebre parábola dos impostos...)

Voltando ao fólis: as reformas de Diocleciano padronizaram todo o sistema, a legenda passou a ser sempre em latim, a contagem passou a ser toda enquadrada no mesmo sistema. No entanto, a Oriente, mantiveram-se as numerações gregas; e é disso que aqui tratamos - numeração.

O que significam: o K, como referido, é o 20 grego. Neste caso, são vinte partes de algo (não vinte unidades). O P diz-nos do que é: pondus (peso - pecunia significa apenas dinheiro, de pecus, gado; não tem remete para mais nenhum significado). Neste caso, o peso da libra romana. Ou seja, esta série (grupo V), um pouco desvalorizada (há indícios que o sistema de 294 foi revisto em 301) está indexada à libra numa proporção de 20 (não esquecer que a moeda não era inteiramente em bronze, tinha uma percentagem de prata, o que a valorizava).

O K-P é isso, 20 equivalem à libra. O delta em cima, sim, é o número da oficina de Alexandria que a cunhou, exactamente a 4.ª (delta).

Outras indexações vão aparecendo, conforme as séries (o dinheiro estava sempre a ser reduzido, e as autoridades necessitavam de impor marcas para se saber o que é que estas moedas divisionárias representavam em termos de metal precioso, sobretudo porque na colecta de impostos, o Estado só aceitava ouro e prata.
MCarvalho

AdrianoHS
Reinado D.José
Mensagens: 535
Registado: segunda nov 26, 2018 4:47 am

Re: K P

#5 Mensagem por AdrianoHS » sexta jan 10, 2020 6:08 pm

Olá, Carvalho.

Quem conhece é outra coisa. Guardarei com carinho as informações. Obrigado.
Me equivoquei em dizer alfa (sendo o primeiro carácter grego). Sendo delta é o quarto realmente. Não sei de onde tirei alfa nisso. :rotate: :jumpgreen:

Abraços. :thumbs:

MCarvalho
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 8314
Registado: sexta nov 05, 2004 9:55 pm

Re: K P

#6 Mensagem por MCarvalho » sexta jan 10, 2020 6:15 pm

AdrianoHS Escreveu:
sexta jan 10, 2020 6:08 pm
Olá, Carvalho.

Quem conhece é outra coisa. Guardarei com carinho as informações. Obrigado.
Me equivoquei em dizer alfa (sendo o primeiro carácter grego). Sendo delta é o quarto realmente. Não sei de onde tirei alfa nisso. :rotate: :jumpgreen:

Abraços. :thumbs:
;)
O alfa não é tão diferente. Nesse caso seria a oficina n.º1, que está também registada para este tipo.
MCarvalho

Avatar do Utilizador
fernanrei
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 5322
Registado: terça mar 28, 2017 8:00 pm

Re: K P

#7 Mensagem por fernanrei » sexta jan 10, 2020 6:49 pm

MCarvalho Escreveu:
sexta jan 10, 2020 5:23 pm
Ora bem, estas marcas estão estudadas há muitos anos no RIC (recomendo a leitura do vol. VI, a contextualização geral do sistema monetário, pp. 94-105; e a introdução da secção de Alexandria, no final, pp. 655-659, grupos iv e v).

Posto isto, é preciso começar por contextualizar o exemplar: é um fólis de Galério, cunhado, como bem referido em Alexandria, por volta do ano 308-310. É a RIC VI, 103.

Isto significa que é uma moeda do sistema pós reforma de 294-95, de Diocleciano. Ou seja, faz parte do sistema imperial padronizado por todo o território do Império Romano. Para distinguir do que havia antes: dois sistemas - o imperial, latino, e o provincial, grego. Estes dois sistemas não se cruzavam oficialmente, a amoedação no Ocidente seguia o sistema novo, romano, enquanto que as províncias orientais, mais antigas, mantinham o antigo sistema grego, embora com as temáticas dos novos senhores, os romanos.

(um à parte, em Israel, um dos países com maior investimento em arqueologia, apareceu apenas um (1) denário de Tibério com a figura de Lívia sentada; no geral, os denários em Israel são escassos, comparativamente com o dinheiro que lá circulava - do sistema oriental, eram siclos, talentos e dracmas do sistema Greco-Púnico (e egípcio, vá lá, embora grego no fundo); não obstante esta realidade arqueológica e histórica, continuamos a querer colocar na mão de Cristo um denário do sistema imperial na célebre parábola dos impostos...)

Voltando ao fólis: as reformas de Diocleciano padronizaram todo o sistema, a legenda passou a ser sempre em latim, a contagem passou a ser toda enquadrada no mesmo sistema. No entanto, a Oriente, mantiveram-se as numerações gregas; e é disso que aqui tratamos - numeração.

O que significam: o K, como referido, é o 20 grego. Neste caso, são vinte partes de algo (não vinte unidades). O P diz-nos do que é: pondus (peso - pecunia significa apenas dinheiro, de pecus, gado; não tem remete para mais nenhum significado). Neste caso, o peso da libra romana. Ou seja, esta série (grupo V), um pouco desvalorizada (há indícios que o sistema de 294 foi revisto em 301) está indexada à libra numa proporção de 20 (não esquecer que a moeda não era inteiramente em bronze, tinha uma percentagem de prata, o que a valorizava).

O K-P é isso, 20 equivalem à libra. O delta em cima, sim, é o número da oficina de Alexandria que a cunhou, exactamente a 4.ª (delta).

Outras indexações vão aparecendo, conforme as séries (o dinheiro estava sempre a ser reduzido, e as autoridades necessitavam de impor marcas para se saber o que é que estas moedas divisionárias representavam em termos de metal precioso, sobretudo porque na colecta de impostos, o Estado só aceitava ouro e prata.
Agradeço a organização e correcção que fez aos meus pensamentos :biglaugh: assim fica tudo muito mais fácil. quem sabe sabe. Pessoalmente, agradeço o esclarecimento que fez, além de útil, é deveras agradável pela forma tão simplificada como expõe toda a informação. :clap3:
:D FMMRei :D

Avatar do Utilizador
silvio2
Reinado D.Afonso Henriques
Mensagens: 5038
Registado: sexta jun 28, 2013 4:10 pm
Localização: Leiria (Distrito)

Re: K P

#8 Mensagem por silvio2 » sexta jan 10, 2020 9:16 pm

MCarvalho Escreveu:
sexta jan 10, 2020 5:23 pm
Ora bem, estas marcas estão estudadas há muitos anos no RIC (recomendo a leitura do vol. VI, a contextualização geral do sistema monetário, pp. 94-105; e a introdução da secção de Alexandria, no final, pp. 655-659, grupos iv e v).

(...//...)
Como já foi "tudo esclarecido" quanto à questão colocada, somente chamo a atenção para
a disponibilização dos 10 Volumes da obra "RIC" (Roman Imperial Coinage) na "Bibliografia"
do Fórum, aqui Imagem http://www.forum-numismatica.com/viewto ... 8&t=124416
Cumprimentos,
Sílvio Silva

Avatar do Utilizador
Marcelo Leal
Reinado D.Afonso III
Mensagens: 1796
Registado: sexta ago 06, 2010 3:10 pm
Localização: Lavras - MG - Brasil

Re: K P

#9 Mensagem por Marcelo Leal » sábado jan 11, 2020 8:50 am

Bela moeda e, como sempre, excelente texto informativo do MCarvalho.
Non omne quod fulget aurum est

Avatar do Utilizador
JPHPM
Reinado D.Maria I
Mensagens: 470
Registado: sexta mai 09, 2008 8:20 pm
Localização: Olinda - Pernambuco - Brasil

Re: K P

#10 Mensagem por JPHPM » sábado jan 11, 2020 11:02 am

Obrigadop a todos.
João Paulo Holanda

Responder

Voltar para “Romanas”